OS ESTRANHOS E OS FAMILIARES

paz

Aquela mulher estava muito apressada. Ia quase correndo pela rua e de repente trombou com um estranho.

– Oh, me desculpe por favor”, falou imediatamente.

E o estranho logo disse: ah, desculpe-me também, eu simplesmente não a vi!

Ambos foram muito educados, um com o outro, a mulher e o estranho.

Então, se despediram e cada um foi para o seu lado.

Mais tarde, naquele mesmo dia, a mulher estava fazendo o jantar e seu filho parou ao seu lado tão silencioso que ela nem o percebeu. E quando se virou para pegar algo, levou um susto e deu a maior bronca no menino.

– Saia do meu caminho, filho! Não tem o que fazer para ficar aí parado?

Ela disse aquilo com tanta aspereza que o filho foi embora, certamente com seu pequeno coração partido. Ela nem imaginou o quanto havia sido rude com ele.

Quando foi se deitar, sua consciência começou a acusá-la.

Como podia ter sido tão delicada e cortês com um estranho e tão indelicada com o próprio filho!.

Não conseguia conciliar o sono e levantou-se para tomar um copo d’água. Seu coração ficou apertado quando viu, ao lado da porta, algumas flores e um bilhete do filho, com os seguintes dizeres:

– Mamãe, estas flores são para você. Eu as encontrei no jardim e as colhi porque as achei tão bonitas como você!

A mãe sentiu o coração apertado quando soube o motivo pelo qual o filho estava parado ao seu lado na hora em que ela o expulsou da cozinha.

Com vergonha de si mesma, dirigiu-se ao quarto do garoto que dormia, ajoelhou-se ao lado da cama, passou a mão em seu rosto e falou com ternura: acorde filhinho, acorde. Estas são as flores que você pegou para mim?

E o menino, um tanto sonolento, respondeu: sim, mamãe, eu mesmo as escolhi. A cor-de-rosa, a amarela e a azul. Eu sabia que você iria gostar, especialmente da azul. E eu fiquei quietinho ao seu lado para não estragar a surpresa, mas acabei assustando você. Mesmo sabendo que você não fez por mal, mamãe, não consegui conter as lágrimas que rolavam em meu rosto.

– Filho, eu sinto muito pela maneira como agi hoje. Eu não devia ter gritado com você daquela maneira.

– Ah mamãe, não tem problema, eu amo você mesmo assim!

– Eu também o amo, filho. E adorei as flores, especialmente a azul.

Cenas como essa são muito comuns em nosso dia-a-dia.

Tratamos os estranhos com tanta delicadeza que passamos por pessoas bem educadas.

No entanto, dentro de casa, no trato com os familiares às vezes somos rudes e intolerantes.

Importante fazer uma análise de como temos nos comportado num e noutro caso, para que não nos enganemos sobre a nossa verdadeira situação moral.

E, nesse caso, o que vale mesmo é o nosso comportamento dentro do lar. Essa é a nossa verdadeira identidade, pois a que usamos com os estranhos é apenas o verniz social do qual lançamos mão quando nos convém.

Pense nisso!

A família é abençoada escola de educação moral e espiritual. Oficina santificante onde se lapidam caracteres. Laboratório superior em que se elaboram sentimentos, estruturam aspirações, refinam ideais.

É na família que começa a obra de fraternidade que se estenderá como fraternidade geral, junto à sociedade.

Pense nisso!

#deciomensagens

RECOMENDAMOS

SERÁ QUE NÃO É VOCÊ?

PARA PENSAR

QUANDO A TRISTEZA BATER A SUA PORTA

4 comentários sobre “OS ESTRANHOS E OS FAMILIARES

  1. Pingback: PENSE POSITIVAMENTE . . . – REFORMA ÍNTIMA COM MENSAGENS

  2. Pingback: HUMILDADE – REFORMA ÍNTIMA COM MENSAGENS

  3. Pingback: A DEPRESSÃO ESCONDIDA POR TRÁS DE UM SORRISO… – REFORMA ÍNTIMA COM MENSAGENS

  4. Pingback: MÃE, O QUE DIZER DE ALGUÉM TÃO ESPECIAL – BLOG JORNAL NOVA ERA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s